domingo, 25 de agosto de 2019
Nada Pop

O instinto perdeu seu lugar ou Freud, vai se foder!

Entendo, aqui sobre minha barba hipster, e de minha cárie igualmente hipster que a humanidade passa por uma sub-revolução. Se elencadas em ordem cronológica temos alguns marcos na história dessa raça reacinha denominada humanidade, são elas:

1 – O domínio do fogo – quando o pessoal percebeu que era mais legal comer carne assada que crua e que aquele troço quente ajudava a não morrer de frio. Depois o vocalista doidão do The Portas cantou “Light my fire!” e todo mundo foi atrás de um baseadinho. Em grossas palavras é isso!

2 – O advento da agricultura – catar manga pode ser divertido, mas plantar a própria comida faz você não morrer de fome no inverno. Isso em países frios, aqui no Brésil não vale muito, mas taí a bancada ruralista que não deixa ninguém mentir que é um baita negócio cretino… …e quando digo que não deixam é porque não deixam MESMO!

3 – A revolução industrial – foi quando começou aquilo tudo da mais valia do Marx. Badulaques industrializados na China são vendidos na África. Máquinas de morar que te dão significado, afinal você é o que você tem, uêba!!!
Eu incluiria aqui a revolução sexual, lá pelos anos 60 e 70, que no fundo é o que importa, transar. A etimologia da palavra sexo, vem do grego “você quer isso?”, que resultou na fala popular em “séquisso”, traduzindo para o latim sexo! Mas o sexo não mudou nada, quem mudou mesmo foi o computa.

4 – A revolução tecnológica – é aqui que a chapa ixquenta cumpadi!

Ninguém tá interessado em fazer curso a distância ou aprender javanês pela internet. O objetivo dentro do mundo virtual é mostrar o corte no pé, a foto no restaurante e espalhar meme do mito (aquele que está na presidência desse boteco que chamam de país).

E eu te pergunto, o que aconteceu com o miguxês que todo mundo, veja bem eu disse TODO MUNDO, achava a fronteira final no universo léxico virtual, hã!?

Eu não estou mais sabendo de mim, tampouco onde vou com esse texto. Vou pro youtube ver vídeo do baterista da Legião Urbana passando vergonha ao vivo ao tentar tocar com telefone celular… …se ele não toca bateria nem com baqueta na mão, que dirá com os dedos.

Esse monte de maquininha ligando as pessoas umas com as outras por meio de redes sociais, memes e emojis fez com que cada imbecil presente neste planeta tenha seu próprio canal de televisão. Seu próprio Fantástico, o show da vida.

A sub revolução é a aniquilação do ID freudiano, satisfazer sua necessidade mais imediata agora só se for postando alguma coisa!

Curtiu?

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Rafael Moralez

Rafael Moralez é músico, ilustrador e autor da série Peixe Peludo. Conheça seu blog de ilustrações: https://moralezrafa.wordpress.com/

%d blogueiros gostam disto: