quinta-feira, 23 de maio de 2019
Nada Pop

Entrevista com a banda Negative Control

Na última quarta-feira (23/07) foi publicada a minha resenha sobre o mais novo lançamento da banda Negative Control, o álbum “Além do Seu Limite”. Para ler a resenha e conferir nossas impressões sobre o álbum basta CLICAR AQUI.

Em continuação a matéria hoje postamos a entrevista com a banda no qual, entre outros assuntos relacionados ao novo trabalho do grupo, foram citados temas como família e sociedade, educação e até sobre os shows de stand-up comedy que o baterista Pingo vem desenvolvendo nos últimos tempos.

Antes de tudo nós agradecemos a atenção da banda e ressaltamos a importância do Negative Control para o cenário independente. Para fazer o download dos álbuns da banda basta acessar a página do Bandcamp do grupo CLICANDO AQUI.

Confira a entrevista completa com o Negative e não deixe, caso curta, de compartilhar por aí.

NADA POP – ENTREVISTA NEGATIVE CONTROL

NADA POP – Sei que vocês (Claudia e Pingo) tem um filho. Como se dá esse processo de educar uma criança para ser um cidadão crítico, de atitude, conforme pregam as letras da banda, em meio a essa sociedade tão rasa e de valores tão opostos? E como vocês conseguem conciliar trabalho, compromissos da banda e ainda serem pais presentes?
CLAUDIA – Mesmo tendo certa postura política referente ao trabalho da banda, o mais importante que passamos ao nosso filho é o respeito ao próximo, aliado a importância dos estudos, para que ele possa enfrentar essa sociedade tão injustiçada.  E sempre achamos tempo para fazer o que gostamos e o que realmente importa para nós.

NADA POP – A entrada do André (guitarra) parece ter dado uma nova cara às composições no novo trabalho. Na música ‘Faça a diferença’ fica bastante claro que a guitarra deixou um pouco de lado aquele foco em tocar a base do som, como nos trabalhos anteriores e passa a adicionar texturas e se aventurar mais pelos efeitos e timbres, trazendo uma nova dinâmica a música. Como foi essa participação do novo guitarrista no processo de composição e gravação do novo álbum?
CLAUDIA – Quando ele entrou na banda, como qualquer músico novo, trouxe elementos novos, de suas influências. Mas a banda vem amadurecendo muito nesses anos, mostrando essas novas composições em conjunto.

NADA POP – Então o processo de composição das músicas da banda é realizado de forma conjunta, no sentido de que as criações são realizadas dentro do estúdio com todos tocando ou alguém da banda traz uma letra ou base e daí surge a estruturação da música?
CLAUDIA – Não é uma regra, mas normalmente o instrumental é feito na hora, no ensaio, criado em conjunto, vai batendo a inspiração e vai fluindo. Só a letra que é feita depois, ou encaixada depois, geralmente eu grito algumas coisas só para fazer o esqueleto da música, depois gravo o ensaio no celular mesmo, e faço a letra em cima do que gravamos. É mais ou menos assim (risos).

NADA POP – O Negative ficou de molho por alguns bons anos, de 2004 a 2012, se não me engano. Quais são as maiores diferenças na cena underground da época quando comparada com a atual?
CLAUDIA – Nós paramos em meados de 2004 quando meu filho nasceu, voltamos mais ou menos em 2009 e com alguns problemas de formação parou novamente, e voltamos em 2011 com projetos para o terceiro CD que acabamos de gravar. Na cena antigamente nós marcávamos show por carta, toda a divulgação era por carta, era bem mais difícil e trabalhoso, hoje em dia com a internet é tudo mais fácil, divulgar o som a banda e marcar show, fazer amigos no meio, ficou tudo mais viável e mais fácil.

NADA POP – O país vive um momento um tanto turbulento, onde as pessoas parecem absolutamente indignadas e revoltadas, porém ao mesmo tempo um tanto perdidas, sem saber direito para onde canalizar esses sentimentos, que vem inclusive sendo supostamente manipulados para uso político. Vocês veem esse momento como um divisor de águas, como o começo de uma sociedade mais justa e pronta a cobrar seus direitos?
CLAUDIA – É, no começo que tiveram os protestos com início pela redução da tarifa de ônibus, e depois foi tomando uma proporção maior, parecia que as pessoas estavam realmente acordando para a realidade que passamos, as dificuldades, e a roubalheira política, mas como todo brasileiro sempre acaba em pizza, bastou começar a Copa para esquecer tudo novamente, uma pouca minoria continuou as insatisfações em protestos, mas nem fez diferença para quem deveria fazer. A mudança tem que ser feita na urna onde realmente pode haver a mudança.

NADA POP – O baixista da banda (Júnior) comentou recentemente que pretende começar a trabalhar como professor? Gostaria de saber dele qual o grande desafio da educação hoje? Se é a influência da tecnologia, que dispersa a atenção dos alunos; ou a ausência dos pais no convívio diário, passando os valores base e complementando esse processo de educação?
JUNIOR – bom, pensando como educador, acho que a tecnologia não veio para atrapalhar se usarmos de uma forma eficiente. Mas também não fecho os olhos para não enxergar os alunos usando ela para o lado negativo como tirar atenção, na escola como qualquer coisa não relacionada ao ambiente. Usando bem que mal tem? Não podemos fugir disso, nem tem como. Nos dias de hoje os alunos passam mais tempo com professores dentro da sala de aula do que com os pais (a grande maioria), parece que realmente foi transferido essa responsabilidade de valores básicos aos educadores, isso pelo fato de estarmos vivenciando um tipo de cotidiano bizarro. A tecnologia veio para encurtar caminhos entre as pessoas mas o que se vê é o inverso. Hoje fazemos tudo pelo computador, smartphone e tablet, conhecemos 2, 3 mil pessoas nas redes sociais, mas temos apenas 10 ou 12 pessoas no máximo que podemos dar um abraço. O mundo esta cada vez mais virtual. O maior problema da tecnologia na educação e ver que pais preferem controlar seus filhos pelo que ele posta e faz nas redes sociais e não enxergar o quanto seria bom conversar com quem esta ao seu lado.

André (guitarra), Pingo (bateria), Junior (baixo) e Claudia (vocal)

NADA POP – Atualmente muitas bandas independentes vem optando por lançar seus trabalhos em vinil (LP), visando recuperar parte dos valores investidos nas gravações com a venda dos mesmos aos fãs e colecionadores, uma vez que a venda de CDs parece cada dia menos viável. A banda pretende lançar esse novo trabalho em algum formato físico? Cogitam fazê-lo em vinil?
CLAUDIA – O nosso terceiro CD “Alem do seu limite”,  está disponível para ouvir e baixar online, por exemplo no Bandcamp. Logo mais o CD físico está por ai, e talvez mais pra frente quem sabe fazemos em vinil, pode ser.

NADA POP – Mas o que vocês acham desse formato (vinil) e qual foi o álbum que vocês mais curtiram ouvir neste formato? Existe algum favorito?
CLAUDIA – O vinil é legal porque remete a gravação analógica, mais suja, soando a agressividade das músicas do som, acho que o que mais curto e gosto de ouvir nesse formato são as bandas hardcore, punk, death, quanto mais barulho melhor. Se for para citar uma banda falo do Ratos de Porão.

NADA POP – Quais bandas vocês indicam e ouvem atualmente? 
CLAUDIA – Nossa, é bem variado o gosto da galera aqui da banda, vai desde o Death, Crust até o Jazz (Risos). Mas eu, por exemplo, gosto muito de Walls of Jericho, Otep, Rise of the Northstar, Síntese, Teatro Mágico e por ai vai… É bem variado também.

NADA POP – O Pingo vem atuando no stand-up comedy e se apresentando em diversos lugares. Será que ele poderia encerrar essa entrevista contando alguma história engraçada? Desde já agradecemos o papo, vamos deixar o link para download do álbum do Negative Control disponível para quem quiser baixar.
CLAUDIA – O Pingo sempre esteve em eventos de stand up, e entre a família ele sempre foi o engraçadinho da turma, sabe? (risos) Acontece que acabou se jogando nessa parada, agora esta com um grupo de humor  chamado “Ponto G do humor”. E é difícil ser engraçado em texto, é complicado, é melhor a galera que tiver curiosidade aparecer em uma apresentação dele, curtindo a pagina do grupo. Nós que agradecemos o espaço e a força pela divulgação das bandas. E quem quiser saber mais sobre o Negative Control curte nossa fan page, para pegar os shows, novidades e tudo mais. Valeuuuuuu  😉

Para mais informações da banda basta acessar a página do Negative Control no Facebook. CLIQUE AQUI.

No dia 03 de agosto a Negative Control irá se apresentar no Máquina Profana Fest. Para mais informações sobre o show entre no link do evento no Facebook clicando AQUI.

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Wagner Cyco

Wagner Cyco é guitarrista das bandas Mollotov Attack e Irmã Talitha, além de exímio guitarrista reconhecido pelo seu trabalho.

%d blogueiros gostam disto: