domingo, 22 de setembro de 2019
Nada Pop

A maior invenção do homem é a violência

A maior invenção do homem é a violência. O fogo foi dominado, a agricultura e animais foram domesticados, mas a sociedade ocidental (não me atrevo a falar sobre a oriental), essa sim foi construída na base da violência, dos mais diferentes tipos. Não adianta se surpreender, sentir que estamos no limite ou mesmo escrever um post dizendo que “uma hora isso tem que acabar!”, para a violência, tudo que você pode oferecer não é suficiente.

Tive poucas experiências de violência física, essa pode até te marcar de alguma forma e alterar comportamento, mas depende de como você encara o ou a patife que está do outro lado. Geralmente é alguém com sérias questões a serem resolvidas, daí eu pergunto:

– Vai conversar?
– Não.

Então partimos pra ignorância. O trauma não traumatiza mais e a violência vem certa, todo dia, é só esperar! Pode vir por meio do verbo, da fala, da escrita. Essa é mais escrota, porque para superá-la temos que encarar a limitação e o raciocínio do ou da patife do outro lado. Sempre tem!

A violência possibilita você realizar suas vontades, seus fetiches, superar as barreiras que travam as pulsões mais básicas, para tanto basta segurar a onda do que vem depois, as consequências. Porém você pode superar as consequências com… …mais violência! Porque não?

Dias atrás num bar assisti a uma briga, boba, 3 ou 4 moleques bêbados saíram no tapa por conta de um pisão-no-pé-e-sei-lá-mais-o-quê, depois disso passei uma noite ouvindo pessoas comentarem sobre a briga.

A violência atrai, fascina, sua presença te deixa alterado (todo mundo quer se alterar em algum momento) e sua distância deixa todos em alerta para quando ela vai chegar! A violência une pessoas e afasta também, é um poder.

A violência é uma bosta, mas ela está aí… …tenho percebido sua presença diariamente! Nossa contemporaneidade está repleta dela. Na política, no boteco, no trânsito, no preço, na igreja, na música, nas relações sociais… …ela está lá e está ali também!

Eu sei que ela não foi “inventada” pelo homem, não enche o saco, beeza! (viu como funciona!?)

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Rafael Moralez

Rafael Moralez é músico, ilustrador e autor da série Peixe Peludo. Conheça seu blog de ilustrações: https://moralezrafa.wordpress.com/

%d blogueiros gostam disto: