quarta-feira, 25 de novembro de 2020
Nada Pop

O álbum “Ensejo”, de Fernando Lodi, é um respiro de ar puro no meio da poluição

Fernando Lodi - Foto: Marco Rodrigues

A sensação de pisar na areia branca com os pés descalços e de entrar no mar depois de um longo período no meio da poluição de uma cidade grande é muitas vezes renovador. Beber algo gelado em um dia ensolarado e ganhar a brisa do vento no rosto é sentir-se beijado praticamente por Deus (é uma metáfora, não leve para o lado da religão – ainda). Foi mais ou menos assim que dá para resumir a audição do álbum “Ensejo”, lançado pelo músico e produtor Fernando Lodi.

Construído totalmente em casa durante o período do isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus, são 58 minutos de um math rock conduzido por um mesmo fio condutor: uma terapia psicodélica de melodias suaves que inspiram a respirar ar puro, mostrando que é fácil se deparar com o simples e mesmo assim se surpreender. As faixas não possuem nomes, mas horas. Representam o momento no qual os arquivos com as ideias iniciais das composições eram salvas pela primeira vez. “De certa forma não deixam de ser ensejos, que são momentos oportunos, nesse caso momentos oportunos para ter ideias”, conta.

Batizado de “Válvulas Imaginárias”, esse projeto do Fernando Lodi acaba sendo uma demonstração de ar puro no meio da poluição de informações. Você pode fugir de qualquer lugar, menos de si mesmo. Talvez esteja indo longe demais nessa resenha, mas “Ensejo” me fez lembrar de uma das 12 leis do karma, segundo o Budismo.

Se trata da Lei da importância e da inspiração, sendo o valor de nossos triunfos e erros dependendo da intenção e da energia que desprendemos para alcançar o fim. “Contribuímos individualmente para uma totalidade e, portanto, nossas ações não podem ser medíocres. Temos que colocar todo o nosso coração em cada coisa que fazemos”, diz a Lei.

Para esse trabalho, o músico que também integra banda Infante, diz que suas composições também tiveram estímulo de artistas como American Football, Tycho, Bon Iver, Twinpines, Sigur Rós, Explosions in the Sky, Slowdive, Pink Floyd e Diiv. “Tem muitos outros também, mas são o que ouvi a vida inteira que sempre ajudam e nos influenciam bastante”, comenta.

Para concluir, é possível sentir a brisa no rosto com o álbum “Ensejo”. Dependerá apenas do que você enxergar de intensidade nesse trabalho. Para conferir todas as plataformas onde o disco está disponível basta acessar esse endereço: https://linktr.ee/valvulasimaginarias.

Aproveitando, o Nada Pop está com uma campanha no Apoia-se, contamos com o seu apoio para continuar esse trabalho. É possível contribuir com qualquer valor a partir de R$ 1 real. Junte-se a nós: https://apoia.se/nadapop.

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Maurício Martins

Jornalista, editor e fundador do Nada Pop. Um dos organizadores do tributo ao SUB e apresentador do podcast Arte Inflama. Siga no Instagram: @nxdapop