domingo, 27 de setembro de 2020
Nada Pop

Conheça o rock londrinense do Surface e sua história

A maneira independente de trabalhar lhe possibilitará inúmeras criações, pois além de não cercar a imaginação pelos muros dos rótulos comerciais, sua produção inicia primeiramente com a vontade de fazer acontecer, criar uma novidade com qualidade. Por outro lado, essa caminhada é desafiadora, mas não deixa de ser prazerosa, pois subindo degrau por degrau, a vitória não estará ligada, necessariamente, a derrota do outro, vai além das competições que estamos costumados a presenciar. E no cenário musical de londrina o rock tem rolado, nesse sentido, com o Surface, banda iniciada em 1997, sua formação é Débora, vocal; Miguel, Guitarra; Cláudia, baixo e Cientista na bateria.

Nessa estrada o quarteto lançou três CDs e um Split, além de participações em outros projetos lançados na Argentina, França e Rússia. O último trabalho deles foram, em 2014, um box, nele tem um disco com 15 faixas e um DVD com a gravação do show, no Teatro Zaqueu de Melo, além da apresentação captada, os vídeos extras falam da história da banda e do selo Lab Rec (do baterista Cientista), responsável pela produção.

Aqueles que sentem falta de bandas com vocal feminino podem curtir o som deles, nesse último trabalho “Anverso”, o hardcore rápido com letras melódicas lembra a banda Killi, que fez muito sucesso entre o público emocore anos atrás. Mas o grupo deixa claro sua preferência por criações próprias. “Se falta juízo pra crescer não falta coragem pra tentar. Eu toco e canto por prazer. E não há dinheiro que possa pagar”, passagem da música “Pré Juízo”.

De fato, tem muito rock rolando em muito lugar do país, é fácil ouvir bandas que são os principais sucessos, mas uma pesquisa sucinta no Sr. Google ou Facebook podem te levar para novos horizontes e sonoridades, nesse espaço está o Surface. Ouçam!

Facebook: www.facebook.com/surfacelondrina
Youtube: www.youtube.com/surfacelondrina

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Bruno Palmito

Skate, kombi, shows, acampar e cerveja deixam-no mais perto daquilo que ele define como felicidade, se a trilha sonora for Punk Rock/Hardcore com pitadas de Ska, é um breve resumo da perfeição nessa vida. A música é a manifestação ideológica do sujeito, acredita Palmito.