quinta-feira, 26 de novembro de 2020
Nada Pop

Minha experiência com o headphone MDR-1A da Sony. Vale a pena comprar?

Ahhh, como eu curti esse headphone MDR-1A da Sony. Seja na aparência ou no áudio, tudo nele funciona muito bem. Ao usar o MDR-1A durante algumas semanas, tive uma percepção bem diferente das bandas e músicas que ouvi. Parecia que as bandas estavam dentro da minha cabeça! Vamos detalhar um pouco mais sobre o headphone, porém, não pense que seja de forma técnica, longe disso.

Claro, irei citar alguns pontos que para algumas pessoas pode fazer a diferença. No entanto, quero retratar aqui a minha experiência com MDR-1A, que melhorou a minha forma de ouvir música. Não é isso o que importa?

O MDR-1A não traz nenhuma função especial, mas a Sony é bem tradicional quando falamos em áudio. O visual do headphone é bem simples e pouco chamativo, totalmente preto com pequeno detalhe em vermelho quase escondido. Particularmente, é o tipo de headphone que gosto.

O metal utilizado em sua estrutura, nas partes que prendem, giram ou entortam demonstram resistência e transmitem uma segurança ao usuário. Não é algo que vai quebrar com facilidade com uma simples queda. A parte interna das conchas são envolvidas em couro sintético, isso torna o headphone bem macio e confortável nas partes que possuem contato com o usuário. Delícia!

Muito fácil de ajustar, o 1A se encaixa perfeitamente das orelhas. Mesmo que você tenha um orelhão, tenho certeza que não sentirá qualquer incômodo. Pesando apenas 225 g, o 1A possui muita mobilidade e conforto.

Seu fone P2 é removível, mas não possui Bluetooth, isolamento de ruído ou qualquer outra conexão especial. O cabo do P2 possui 1,2 m de comprimento e pode ser usado também no celular.

Onde o MDR-1A me pegou em cheio

O 1A é para quem é apaixonado por música e quer sentir com precisão os detalhes sonoros que ficariam escondidos com o uso de outro headphone. Graves fortes e limpos, sendo possível ouvir todos os instrumentos com muita clareza. E você não precisará aumentar mais o volume por conta disso, para muitos (eu, inclusive) isso já é um ponto mais do que positivo.

É possível sentir uma diferença quando se pensa na voz do cantor/cantora. Vozes femininas demonstraram um pouco mais de brilho, mas nada para se preocupar. A Letall, por exemplo, ficou com um som muito mais encorpado e a voz do Gepeto mais grave. Ainda melhor de se ouvir!

O problema (não vou citar nomes nesse momento) é quando a gravação da banda não está lá essas coisas. Em alguns casos, consegui ouvir chiados que não tinha percebido antes… Sim!

Músicas com pianos, teclados ou violinos ficam com uma resposta ao ouvido muito bonita, como se estivesse no mesmo ambiente dos músicos. Se puder, faça você também esse teste.

Vale a pena?

Você leu essa resenha e até ficou entusiasmado com headphone, certo? Bom, aconselho a segurar esse coração aí fera. Infelizmente, o defeito do produto está em seu preço. Se é justo o valor cobrado ou não, bom, nesse mérito não vamos entrar.

Assim, responder essa pergunta é bem difícil, pois o MDR-1A está na faixa dos 1.500 reais. Você tem bala na agulha para tanto? Considera válido pagar esse valor por algo que poderá melhorar a sua experiência sonora? A qualidade do 1A é superior a muita coisa que existe por aí, mas caber apenas no gosto e na vontade não é suficiente.

Eu o recomendaria para pessoas que trabalham diretamente com música e que precisam ficar atentos a diferentes detalhes que as canções trazem, mas para um usuário normal, alguém que só vá utilizar o MDR-1A para lazer, existem outras opções mais baratas.

Mas se você tem bala na agulha para comprar, então compre já!

Confira todas as especificações técnicas do produto no site da Sony: http://goo.gl/wrH4ON

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Maurício Martins

Jornalista, editor e fundador do Nada Pop. Um dos organizadores do tributo ao SUB e apresentador do podcast Arte Inflama. Siga no Instagram: @nxdapop