quinta-feira, 23 de novembro de 2017
Nada Pop

Zander e Water Rats: bandas se apresentaram pela primeira vez juntas em estúdio

Walter Rats – Foto: Bruno Palmito

O último mês do ano, dezembro, é marcado por festas tradicionais natalinas e centenas de confraternizações, além do amigo secreto, amado por uns e odiado por todos (risos). Mas, particularmente, considero o fim e começo de cada ano as melhores oportunidades de ver shows, pois rola uma intensidade diferente, ou melhor, dizendo, início de um novo ciclo, trabalhos, projetos. Enfim… Isso para justificar o show inédito do Zander com Water Rats, no dia 10, no The Wave Music Palace, estúdio localizado em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Pelo espaço e proximidade com o público, as duas apresentações foram quentes (de verdade) e com uma qualidade de som sensacional. O Water Rats é a definição perfeita do Garage Punk, com músicas rápidas, pesadas o palco fica pequeno para tamanha “punkeragem”, com uma linha direta é um excelente show para quem deseja sentir a energia do rock, impossível ficar parado vendo o quarteto, ensaiadíssimo e insaníssimo.

Zander – Foto: Bruno Palmito

Já o Zander, que segue com a tour do novo álbum “Flamboyant”, estava com um setlist longo – os caras possuem umas 6 ou 7 músicas que são obrigatórias e quando apresentadas são cantadas em coro, particularmente tenho as minhas preferidas também e como comentei com o baixista, Marcelo Cunha, a canção “Meia Noite”, é demais, bate forte, sempre.

Sobre o novo disco, já existem hits engatados, como a “Bastian Contra o Nada”, com mais de 50.000 audições no Spotify. Com algumas pausas durante a apresentação (realmente estava quente), a cerveja gelada era o único refresco possível para um showzasso brasa. A junção das letras, melodia e peso, características da banda fizeram o público pirar.

Estava com saudades de ir aos shows e escrever!

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Bruno Palmito

Skate, kombi, shows, acampar e cerveja deixam-no mais perto daquilo que ele define como felicidade, se a trilha sonora for Punk Rock/Hardcore com pitadas de Ska, é um breve resumo da perfeição nessa vida. A música é a manifestação ideológica do sujeito, acredita Palmito.