quinta-feira, 23 de novembro de 2017
Nada Pop

Vegan Piranha: o mais recente grito da juventude punk francesa

Das cinzas ainda frescas das bandas Doom Doom Tortuga e Reviens nasceu o Vegan Piranha, um dos nomes de banda mais legais que eu vi nos últimos tempos. E o som faz jus à alcunha: punk/hardcore californiano dos anos 80 sem tirar nem por, totalmente old school.

Formada em 2016, o Vegan Piranha é um quarteto da região de Bayonne/Hossegor, litoral da França, muito próximo ao País Basco. Apesar de longe dos grandes centros urbanos franceses, a cena local quase sempre nos traz boas novidades. O primeiro registro do grupo comprova isso. Gravado ainda em 2016, mas lançado apenas agora em vinil pelo selo Crapoulet Records (também francês), o álbum “Last Scream Of Youth” conta com 11 faixas em inglês altamente influenciadas por Dead Kennedys, Agent Orange e, principalmente, Adolescents. Inclusive, me arrisco a dizer que esse disco é melhor do que os últimos lançamentos da banda de Steve Soto, Tony Cadena e companhia.

Vegan Piranha – Foto: arquivo da banda

O álbum abre com “TV Reality”. Nesse instante saímos da pequena Bayonne e somos automaticamente transportados para Huntington Beach dos anos 80. O coro segue comendo com “Nightmare”, que vem logo na sequência. A terceira faixa é “Repo Man”, que conta com um riff à lá Dead Kennedys e cujo título é evidentemente inspirado no clássico filme de ficção científica punk. O próximo petardo é “BlaBlaCar”, música rápida e curta que me remeteu ao Pennywise dos primeiros discos. O álbum segue com “Walk of Shame”, que dá uma quebrada no ritmo frenético do disco, com uma leve cadenciada. Porém, não se engane: é uma das melhores faixas!

Em seguida vem a divertida “No Motivation” e um belo refrão que repete seu título. A faixa 7, “Carnival”, também conta com um forte refrão, além de uma guitarra bem trabalhada em diversos momentos. Eis que então mais um grande riff surge em “X-Files”, com bons versos e boas melodias. Outra que entra no hall de melhores canções do álbum. Já “Zombies” é curtinha e com refrão bem melódico. Você tá lembrado da influência de Agent Orange que eu falei lá em cima? Pois bem, ela está resumida na décima faixa: “Doomed Love”. Ouça e comprove. Como não poderia deixar de ser, “What I Want”, a última do disco, chega para quebrar tudo, com algumas passagens mais pesadas. Mas o que eu queria mesmo era poder ouvir mais.

Vegan Piranha – Foto: arquivo da banda

Assim como a galera do Vegan Piranha, eu não vivi os anos 80, muito menos a cena californiana. Mas nem por isso o disco deixa de me trazer boas recordações. Aqui não tem nada de novo. É tudo que você já ouviu por aí, de novo. A banda não tenta inventar nada, apenas presta uma bela homenagem às suas referências. Os próprios caras definem sua obra como emergencial, simples e eficaz. E eu acrescento ainda que o disco é extremamente divertido e prazeroso de se ouvir. Cheio de areia que gruda na sunga e cheirando à maresia, “Last Scream Of Youth” é uma ótima pedida para o verão que está chegando.

Uma dica: o disco está disponível para ser baixado de graça no bandcamp da banda!

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Guilherme Melo

Publicitário não praticante, guitarrista nas horas vagas, centroavante matador e apreciador de qualquer boteco sujo. Gosta de colecionar discos e k7s e possui um tipo de humor refinadamente bobo.