sexta-feira, 25 de Maio de 2018
Nada Pop

Entrevista Desacato Civil – Especial Punktoberfest 2014

Na dia 25 de outubro, conhecido como o próximo sábado, será realizado mais edição do Punktoberfest. Dessa vez os shows ficam por conta das bandas Perturba, Desacato Civil, Lomba Raivosa!, Mukeka di Rato e Flicts. Nessa semana vamos trazer uma série de entrevistas especiais com todas as bandas envolvidas neste evento com um simples objetivo: fazer você (leitor/a) ficar no clima dos shows e não perder este evento por nada neste mundo. Para cada banda serão feitas quatro perguntas e neste primeiro papo você confere a banda de hardcore Desacato Civil, nascida em São Paulo. Confira abaixo!

NADA POP – Qual a posição política da banda e qual a opinião de vocês sobre essa polarização político-partidária que tem inundado redes sociais como se fosse um campo de batalha?

DESACATO CIVIL – Cada um da banda tem um posicionamento e uma intensidade em relação às escolhas políticas. Mas resumindo as posturas em uma coisa só, a banda se posiciona abaixo e à esquerda. Todos somos contra o autoritarismo, a intolerância e não acreditamos em um potencial significativo de mudanças nas eleições e na democracia representativa. Essa polarização das eleições em partidos e figuras que representam praticamente os mesmos interesses é bastante cancerígena para o avanço da consciência política da população. A gente fica torcendo de forma histérica e violenta para eleger cores, líderes e em momento algum falamos de política, propostas, ações, tiramos impressões da nossa realidade imediata ou analisamos a conjuntura.

Ficamos torcendo para as cores numa batalha cega em que não se acrescenta conteúdo algum, e quando as eleições acabam a maioria das pessoas se acomodam de novo e esquecem de pensar em política deixando quem está no poder com carta branca para fazer o que quiser de nossas vidas. A política representativa não foi feita para nós (a população) ela é uma ficção que blinda e mascara os verdadeiros interesses dos poderosos. Por isso que as eleições pouco acrescentam para os interesses da população. Nos debates os políticos só falam a orientação dada pelos marqueteiros, não deixam as ideologias dos partidos explícitas, apresentam seus programas de governo de forma extremamente simplificada e não fazem uma mínima autocrítica.

É uma briga baseada em fofocas pessoais de candidatos (como se não existisse por trás o partido, coligações e governabilidade do legislativo) e publicidade de uma política passada de forma superficial e distorcida, em que os candidatos são apresentados como seres perfeitos com a fórmula mágica e instantânea para todos nossos problemas (imediatos e históricos). Seja qual for o resultado do teatro das eleições, estaremos ferrados se não nos organizarmos pela base e reivindicarmos nossa participação política na sociedade. No momento atual somos espectadores passivos de uma ficção chata.

NADA POP – Quando haverá um novo trabalho da banda e se vocês já estão com novas músicas. É possível adiantar alguma coisa a respeito?

DESACATO CIVIL – Já temos 11 sons prontos e 1 em andamento. A gente tinha o projeto de gravar ainda esse ano, mas tem um grande problema para isso não ter acontecido que é o dinheiro para investir. Assim que sobrar algum, a gente grava. Esperamos que não passe do primeiro semestre do ano que vem!

NADA POP – Falem sobre as bandas que vocês estão ouvindo atualmente, indiquem aí para o pessoal.

DESACATO CIVIL – Tem um monte de bandas no Brasil lançando muita coisa boa. Vai ter muita gente que vamos acabar esquecendo ou não citando pra não ficar muito longo, mas no geral preferimos sempre citar materiais de bandas “recentes” e que são pouco divulgadas que temos ouvido e/ou acompanhado shows: Vingança 83, Motim, Perturba, Lomba Raivosa!, Ktarse (Rap), Chavões (Rap), Kob 82, Ódio Social, Asfixia Social, A Ferramenta, Ratas Rabiosas, No Skill, Teu Pai já Sabe?, Beer and Mess, Rakta, TEST, Projeto Trator, Cristo Bomba, Jesus Macaco,e por aí vai.

NADA POP – O que significa ter uma banda de hardcore em apenas uma frase?

DESACATO CIVIL – O som Ingovernables, do Sin Dios, diz uma frase que acho que resume o pensamento da banda: “Las palabras son importantes pero lo es tambien la accion”.

Clique AQUI e curta a página da banda no Facebook.

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Maurício Martins

Jornalista, pai da Maria Stella, fã de quadrinhos e ficção científica. Aficionado por música, especialmente pelo punk e hardcore. Também é idealizador e editor do Nada Pop.

%d blogueiros gostam disto: