sexta-feira, 22 de maio de 2020
Nada Pop

Fragmentos, um respiro nessa angústia doida e monotemática

Fragmentos Urbanos é um projeto audiovisual, formado em 2018 por Ciça Bracale (Gomalakka), nos vocais e letras e Dija Dijones (Loyal Gun) nos arranjos.

Fruto de uma imersão criativa para um trabalho final do curso de arquitetura da Ciça em 2005, que trazia reflexões sobre a relação entre indivíduo e metrópole, através de pesquisa artística, poesia e produções audiovisuais, o projeto foi ganhando dinâmica e identidade próprias nas composições. E entre maio e agosto de 2018, o duo consolidou 12 músicas e escolheu 6 para mostrar agora em 2020.

As músicas foram gravadas no bom e velho esquema lo-fi, nos encontros e desencontros entre Ciça e Dija, com fones de celular e troca de arquivos via mensagens de aplicativo. Elas foram divididas em três grupos com 2 singles cada, que serão lançados em capítulos, acompanhados de videoclipes. A montagem e edição dos clipes ficou por conta da Rita Aprile (Howlin Records), mix e master por Bruno Pinho.

Apesar das músicas terem sido criadas há mais de 10 anos, elas ainda fazem muito sentido. Pois foram criadas num contexto muito parecido com o atual. Tratam de sentimentos atemporais, com temas que abordam as angústias causadas pela rotina sobre nossos corpos. Sobrevoam o complexo emaranhado de ser num contexto caótico das mudanças sociais, os atuais acontecimentos e seus desdobramentos com pandemias e crises políticas.

O primeiro capítulo é “Apnéia”, conta com os singles ‘Apnéia e Precipício’. As letras fazem um voo profundo nas angústias e incertezas cotidianas, reforçado pela combinação de guitarras e vocais com todas as influências introspectivas de bandas como Mazzy Star, Slowdive e Radio Head dos anos 90.

Mesmo que a história contada por ela tenha sido baseada num período em que a reclusão servia como válvula de escape, é possível perceber uma conexão com os dias atuais em que o distanciamento social nos obriga a lidar com a dinâmica cidade x reflexos sobre a construção de quem somos.

Se antes o isolamento era uma opção para que pudéssemos respirar, agora ele é imposto para frear o avanço da infecção pelo covid-19. Mas não deixa de provocar momentos de reflexão e uma visão contemplativa sobre nosso dia a dia.

O clipe de Apnéia, feito através da montagem de imagens que transmitem esse clima de introspecção e reflexão, oferece um mergulho em sentimentos profundos, numa transposição de ambientes acolhedores mas ao mesmo tempo melancólicos. Traz uma narrativa de momentos vividos numa conexão cidade e indivíduo, o que torna fácil a identificação com o que estamos passando.
Música, letra, arranjos, tudo se conecta no vídeo. É um respiro nessa angustia doida e monotemática.

Produção musical: Ciça Bracale, Dija Dijones e Bruno Pinho
Concepção visual: Ciça Bracale e Rita Aprile
Todas as canções por Ciça Bracale
Todas as letras por Ciça Bracale
Arranjos por Dija Dijones
Gravado em São Paulo e Itapecerica da Serra, entre maio e agosto de 2018.
Mixado por Bruno Pinho e Dija Dijones
Masterizado por Bruno Pinho
Ciça Bracale: vozes
Dija Dijones: programação de bateria, programação de cordas, guitarras, baixo e teclado
Arte da capa: Rita Aprile e Ciça Bracale

Lançamento: Howlin’ Records

Gostou desse Post? Compartilhe!

Sobre o autor

Lety Trash

Lety Trash é editora do Nada Pop, além de guitarrista na Trash No Star, integrante da Errática, produtora na Efusiva Records e MOTIM, um centro de cultura no Rio de Janeiro.